MP discutirá com entidades suspeita de maus-tratos em rodeios


No próximo dia 28 deste mês, acontecerá na cidade de Cuiabá, capital do Mato Grosso, uma audiência pública na sede da Procuradoria Geral da Justiça para debater com entidades e movimentos sociais sobre possíveis maus-tratos causados a animais utilizados em atividades esportivas no estado, sobre tudo em rodeios.


A audiência é uma ação do Ministério Público que após a realização de uma feira de exposição ocorrida em Cuiabá no ano de 2015, aconteceu a investigação de supostas irregularidades no rodeio, que fazia parte da programação do evento.


A Interrede Notícias conversou com 3 representantes sobre a questão de maus-tratos a animais e a importância cultural e econômica que tem o rodeio para o interior do país. Falou com nossa equipe o presidente da Liga Mato-grossense de Rodeio, Cleber da Costa Soares, a voluntária da APAMAN – Associação Mato-grossense Protetora dos Animais, Karicia Goda Cardoso Pastor Andrade. A equipe da INTERREDE NOTÍCIAS também procurou o Presidente da PRCA Profissional Rodeio Associados, Paulo Cesar Batata, que preferiu enviar uma nota, comentando o assunto.


Confira na íntegra as entrevistas que realizamos com os representantes:


Entrevista com o Presidente da Liga Mato-grossense de Rodeio, Cleber da Costa Soares:


INTERREDE - Como a Liga tem visto a participação do povo do estado nos rodeios?

CLEBER - O rodeio aqui no Estado do Mato Grosso é o principal encontro de pessoas que encontra nas feiras agropecuárias e festa do peão para celebrar a festividade do município, gerando de 300 a 3 mil empregos direto, fomentando a economia do Comércio local que são hotéis, alimentação, prestação de serviços gráfico, TVs, postos de gasolina, etc.


INTERREDE - O que representa para a economia da região as atividades de rodeio?


CLEBER - O rodeio gera muita a economia dos Municípios, e aqui no Estado do Mato Grosso são cerca de 150 rodeios, no estado São cerca de 1200 competidores que participam dos rodeios, aqui no estado são 120 tropeiros donos de boiadas, o estado do Mato Grosso é o mais organizado quando assunto é feira pecuária, exposições e rodeios. Foram feito muitos cursos profissionalizantes de prestadores de serviços, competidores e salva-vidas, o Estado de Mato Grosso é o maior produtor de touro de rodeio do Brasil, tendo em vista que em 2011 o vice-campeão e o campeão da liga mato-grossense é do estado de Mato Grosso e todas as empresas envolvidas em organizações de Festa de Peão de Rodeio geram muitos empregos para o estado de Mato Grosso, então isso é a nossa resposta e a questão do Rodeio também puxa as pessoas às, famílias que têm as barracas que vai me dar seu espetinho que vai vender seu pastel que vai vender seu cachorro quente ti, tem os cantores que vão cantar na feira agropecuária, tem as pessoas do parque de diversões que vai levar o parquinho vai trabalhar com sua família, então é um gerador de empregos essa modalidade chamada rodeio.


Entrevista com a voluntária da APANAPAM, Karicia Goda Cardoso Pastor Andrade:


INTERREDE- A entidade entende que as práticas de rodeio são danosas aos animais nele utilizados?

KARICIA - O entendimento da APANAPAM - Associação Mato-grossense Protetora dos Animais, as práticas de rodeio assim como outras práticas esportivas que serão discutidas Na audiência pública que é organizada pelo Ministério Público, é que a maioria dessas práticas assim como as rodeios e as Vaquejadas, dentre outras como rock que usa cavalos, essas práticas esportivas No final sempre colocam animal algum tipo de sofrimento ,nos rodeios por exemplo a desculpa que se dá é que o animal gosta, e que quando o animal está pulando é porque ele está sentindo cócegas, A verdade é que ele sente dor, o trajeto todo dele até ele chegar na arena na hora da apresentação sofre ameaças, torturas psicológicas, os peões que usam materiais pontiagudos para deixá-los mais nervosos para pularem mais na hora, no caso das Vaquejadas a gente percebe que o animal tem esse sofrimento também antes de adentrar na arena, então nós entendemos que as práticas esportivas usando animais como um todo, causam algum tipo de sofrimento.

INTERREDE - A entidade acompanhou as atividades de alguns rodeios no estado? Nos rodeios que foram avia de fato maus tratos?

KARICIA - Em nosso estado e a prática mais utilizada é a dos rodeios, gente vê que é uma atividade cultural, E que usa como desculpa, como entretenimento né uso de animais em exposição quanto na hora do show mesmo que é o rodeio, uso de bois de cavalo, Isso tudo é o animal não escolheu, a verdade é essa, para participar desse tipo de evento eles agem em situações que deixam o animal nervoso eles não consideram isso tudo, isso é sofrimento, colocar um animal dentro de um caminhão transportando até o Parque de Exposições, deixá-los em lugares frios geralmente em aglomerados de animais, tudo isso É estressante para o animal, e causa sofrimento, no final na hora do show mesmo o sofrimento atingiu seu ápice, quando o animal realmente sofre a dor física, então assim a gente é contra esse tipo de prática. Como protetores não podemos coadunar com uso de animais tanto para práticas esportivas quanto para exposição ou para qualquer outro tipo de trabalho de uso do animal, em que o animal sofre algum tipo de stress, algum tipo de situação que deixe ele desconfortável. Se que tenta vender que é bom para a sociedade, o entretenimento, e a gente é totalmente contra isso a pratica de rodeio, assim como outras práticas esportivas. Serão discutidas na audiência pública organizada pelo ministério público, que a maioria das práticas assim como os rodeios, vaquejadas, hóquei dentre outras com cavalo, no final sempre coloco animal algum tipo de sofrimento, nos rodeios por exemplo a desculpa é que animal gosta, que quando o animal tá pulando é porque ele tá sentindo consigas, a verdade é que ele sente dor mesmo, o trajeto todo dele até ele chegar na arena na hora da apresentação, tem imensas torturas psicológicas e emocionais, peões que ficam usando materiais pontiagudos para deixá-los mais nervosos , no caso da vaquejadas a gente percebe que isso, o animal que tem esse sofrimento também antes de adentrar na linha, então nós entendemos que as práticas esportivas com animais como um todo causa algum tipo de sofrimento. Nós somos uma associação que existe desde 1996 e trabalhamos basicamente com cachorros e gatos, então assim nós temos protetores que trabalham conosco cerca de 34 protetores que a nossa estrutura então não é muito grande nós não tenhamos mão-de-obra para é fiscalizar os modelos para ir a traz de rinha de galo, rinha de cães e de outras práticas que envolvam animais nós não temos estrutura para isso. Em nosso estado a prática mais utilizada é a do rodeio é uma atividade cultural e usa como desculpa o entretenimento para o uso de animais, também exposição e nos shows, isso tudo o animal não escolheu a participar desse tipo de evento, situações que deixam animal nervoso eles não consideram isso , é sofrimento, colocar animal dentro de um caminhão transportara-lo até o parque de exposições deixá-lo deixá-los em lugares preso geralmente com muitos em aglomerados de animais isto é estressante para o animal, e causa sofrimento é na hora do show o sofrimento atingiu realmente a dor física, então somos contra esse tipo de prática.


INTERREDE- A entidade tem uma sugestão para o uso de animais em eventos esportivo?

KARICIA - Nós como como protetores não podemos combinar com uso de animais tanto para praia práticas esportivas conto para exposição quanto outro tipo de trabalho ou de uso do animal em que o animal sofra algum tipo de agressão que o deixei desconfortável, tentam vender a ideia que é entretenimento e nós somos totalmente contra.


INTERREDE- O que a entidade tem feito para evitar maus tratos aos animais no estado?

KARICIA - Hoje nós temos no município a diretoria de bem-estar animal, que provavelmente vai começar a fiscalizar esse tipo de prática, agora foi criado o conselho municipal de bem-estar animal que aonde esse conselho vai averiguar, identificar multar todas as práticas identificadas como maus-tratos a animais de acordo com a lei federal 9 r$ 75 é municipal também foi aprovada ano passado.


INTERREDE - A entidade acompanhou as atividades de alguns rodeios no estado?

KARICIA - A APAM não tem acompanhado rodeio mas é temos um pouco de conhecimento do conceito trata maus-tratos , nós podemos afirmar conveniência que existisse maltrato de tipo de prática esportiva usando animais ,as prática são legais porém são imorais, porque se baseia no uso dos animais pra entretenimento em benefício do ser humano, a gente é contra a cultura que serve-se de animais ao ser humano, os animais estão aqui pra gente ajudar na evolução do ser humano e o ser humano na evolução dos animais, então qualquer tipo de uso do animal atribuído a entretenimento principalmente, é totalmente condenado pela APAM, nós conseguimos dar um passo bem grande, sugerimos no projetos de lei que depois foi aprovado em, a criação do conselho de bem-estar animal já estava previsto no ante projeto que veio a lei foi aprovada com a criação do conselho que é o órgão que delibara sobre a políticas públicas e bem-estar animal, sobre a fiscalização de eventos esportivos como rodeio, sobre a fiscalização de empresas e pessoas cometem maus-tratos, que abandonam . Temos atuado dessa forma e também na prática, resgatando animais abandonados resgatando animais tentando incentivar as pessoas, é como se fosse uma plantar uma sementinha é com relação à maneira com que a sociedade deve ver os animais não só cães e gatos, mas também como o boi e cavalos.


INTERREDE - Como a entidade vê esta audiência pública?

KARICIA - A gente espera que essa audiência realmente tenha os encaminhamentos ensecarias com criação de uma lei municipal que possa ver a questão dos rodeios e de outras práticas esportivas legalizadas E também estamos esperando ainda não sei se vai ser nessa audiência pública, mais se não for nós vamos tentar organizar outra audiência pública sobre o uso dos animais em Carrocinha , isso ainda é utilizado em Mato Grosso e que precisa ser mudada ,hoje em dia esse tipo de exploração animal é inadmissível.


Nota enviado pelo Presidente da PRCA Profissional Rodeio Associados, Paulo Cesar Batata:


“ Ninguém em sã consciência vai pagar 300,000 reais em um animal, já aconteceu e não vai zelar pelo patrimônio, pelo bem-estar do animal, a diferença ‘e na parte estrutural, os rodeios amadores serve como categoria de base tanto para os animais de pulo quanto para os atletas São nesses rodeios amadores que são selecionados os animais apitos para os grandes eventos Lembrando que; se for um campeonato ou rodeio aberto, os animais são contratados por seus organizadores, na verdade não a uma acompanhamento de perto pelas entidades fiscalizadoras devido o número de eventos Às vezes as datas e a distância É totalmente impossível além dos custos falta material humano não há nenhuma receita destinado para isso quando feito, ‘e por profissionais contratados pelos eventos ou as vezes Arcano com seus próprios custos ou despesas, Com certeza odeio envolve várias atividades em um Único eventos, que vai dar parte estrutural, comercial, cultural, gastronômica e esportiva são vários profissionais em seus segmentos e todos remunerado em busca do seu sustento profissional, pessoal, familiar. Na parte legal é obrigatório a presença de um médico veterinário e apresentação de exames de sanidade, Sempre tem alguém nos eventos com essa fiscalização antes do acontecimento durante e após o evento também tem a fiscalização, Tem um pessoal destinada a isso nos eventos eventualmente, já foram feitos vários seminários para elaboração e aperfeiçoamento de leis e regras para todos os envolvidos no esporte, cada tropeiro tem seu Capataz e cada Capataz tem suas peculiaridades para o manejo dos animais, dentro do que é passado nesses congressos e seminários, a grande diferença entre rodeios profissionais e rodeios amadores, qualquer rodeio amador que não seja homologado ou não esteja dentro de uma instituição é outra coisa, os rodeios profissionais têm por obrigação contar com monitoramento e os cuidados devidos.”


Escute mais notícias:



© 2018 | INTER REDE NOTÍCIAS - A notícia direto da fonte | Todos os direitos reservados.

  • Interrede Notícia
  • YouTube Social  Icon